terça-feira, 27 de março de 2012

REDENÇÃO

Tenho a face cor do vento
Em silêncio sempre passo
Mas às vezes me apresento
Com estrondo estardalhaço.

Abro os braços nada peço
Vou a fundo e me acho
Na vereda dos meus versos
Alegria acende o facho.

Nesse ponto se ilumina
E me mostra sempre avante
A viagem não termina
Sempre posso ir adiante.

Toca flores pensamento
Nessa estrada há fulgores
Com os olhos sempre invento
Um buquê de nova cores.

Mais à frente há um rio
Pouco mais que uma vertente
Onde bebo em desafio
E me banho no poente.

Onde o sol leva meu tédio
E me traz nessa corrente
Redenção o meu presente
Poesia o meu remédio.

Ana Roen

quarta-feira, 21 de março de 2012

POETRIX - A FLOR DO SONHO

Nessa manhã orvalhada
Abriu-se a flor do sonho
Dentro continha o amor.
 
Ana Roen
                  

terça-feira, 20 de março de 2012

A LIRA DOS TEUS SONHOS

Aquela que é teu céu aqui na Terra
A lira virginal dos teus amores
Que em versos no teu peito tu encerras...
Aquela, pode ser, já te esqueceu.

Mas há alguém que não tem a pretensão de ser teu céu
Que traz o lamento em seu canto
E sofre por amor aos teus encantos,
Esse alguém sou eu.

Ana Roen

quinta-feira, 8 de março de 2012

ENGANO

Fui mergulhar em teus olhos lhanos
Mas o amor cercou o destino
E o que era pra ser só um sonho profano
Pouco a pouco tornou-se divino.

Um devaneio da alma poeta
Viu nos teus olhos águas tranquilas
Mas veio a noite escura e tormenta
E o teu mar secou em areia e argila.

Quis voltar, porém, já não pude
Me perdi nesse mar dos teus olhos insanos
E hoje os ventos que sopram são rudes
Dos polos mais frios dos meus desenganos.

Ana Roen