segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

ÓDIO

Deixei-me levar solitária
À enterrar os meus sonhos
Sob a pedra mortuária
Deixei os meus dias risonhos.

Silenciei meu pranto, meus medos
Aceitei meu destino só
Pra viver esse degredo
Cobrí-me de chão e de pó.

E eu que fui feita de entrega
Hoje sou só raiva cega
Sob a insígnea bandeira do Não!

E hoje só tenho ódio
E uma pedra de sódio
No lugar do coração.

Ana Roen


Nenhum comentário:

Postar um comentário