quarta-feira, 2 de novembro de 2011

MINHA POÉTICA

A minha poesia
É sincera e intimista
Eu acordo e todo dia
Passo a alma em revista.

E percorro cada canto
De sombrio interior
Sem surpresa nem espanto
Só existe lá a dor.

Vou sorvendo meus anseios
Vou bebendo em taça cheia
Sentimento, devaneios
Enquanto a vida passa alheia.

E sentindo o lânguido abraço
Da tristeza, em queda livre
Vou caindo pelo espaço
Sem ter onde me equilibre.

Daí vem essa poética
Como coisa meio torta
Sem seguir nenhuma estética
Meio viva, meio morta.

Ana Roen

Nenhum comentário:

Postar um comentário