domingo, 18 de setembro de 2011

DE TUDO UM POUCO

De luzes azuis belas e multicores
De alegrias e cores maravilhosas
De perfumes e suaves frescores
De rosas amarelas, brancas cheirosas.

De pássaros no ninho em suave arrulho
De suaves sons, enigmática orquestras
De resplandecente e doce brilho
De visões rápidas em chamativas frestas.

De andorinhas pelo céu na dança
De janelas que se abrem de par em par
De graciosas vozes de crianças
De quebrar na praia suas ondas, o mar.

De folhas trêmulas molhadas
No suave burburinho do vento
Verdes, viçosas, como esmaltadas
Tenras, graciosas, em crescimento.

De ondas batendo nos rochedos
De linhas tênues marcantes
De montanhas rochas e penedos
De perder-se a vista no horizonte.

De visões de raios, tempestades
De chuva do céu caindo
Molhando a lânguida e bela tarde
E a noite no céu surgindo.

De estrelas, brilhos, constelações
De luar de loucos, encantamento
De estrelas cadentes em rápidos clarões
Que nos perde à vista em rápidos movimentos.

De incontroláveis movimentos de arfantes seios
De olhos e pupilas dilatadas
Dos mais loucos devaneios
De  corpo e almas em encontro arrebatadas.


De impressões suaves, leves
De tudo o que a alma encanta
De momentos felizes, rápidos, breves
De vir-me a lembrança nesses versos canta.

Ana Roen


Nenhum comentário:

Postar um comentário