terça-feira, 26 de julho de 2011

PERDI-ME

Deserdei a alma por querer
Não quero mais o que está perto
Soltei as amarras do viver
Navego agora em mar aberto.

Persigo o vôo das gaivotas
A paisagem é de entontecer
Vislumbro ao longe as ilhotas
Sonhos que acabam de morrer.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

E não sei dizer o que procuro
E rompi com tudo nesse mundo
E agora esse céu é tão escuro
E agora esse mar é tão profundo.

Ana Roen

Um comentário:

  1. Gostei muito de seu poema, do ritmo, da musicalidade e das metáforas.

    Convido você a visitar meu blog
    Google: poemas de neusa azevedo

    ResponderExcluir